O Domingo de Ramos, para a Teologia Litúrgica, ainda faz parte da Quaresma, dos 40 dias que preparam o Tríduo Pascal ( Quinta- Feira Santa, Sexta-Feira Santa e Sábado Santo ) período que antecede o Domingo de Páscoa.

A Procissão de Ramos
A tradição eclesial reserva para esse Domingo um rito litúrgico feito em forma processional, para recordar a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém( Jo 12, 12 – 15).

A orientação
A comunidade é convidada a realizar uma procissão na missa de maior afluência do povo. Seja uma verdadeira procissão, uma caminhada do local da bênção até onde será celebrada a eucaristia.

O procedimento
Faz-se Liturgia de Bênção para abençoar os ramos que os fiéis levam durante a procissão. É uma procissão ritual que manifesta Jesus Cristo introduzindo seu projeto de vida na comunidade. No decorrer da procissão é importante considerar a realidade religiosa e a vida cristã da comunidade e, com base a isso, trabalhar o contexto celebrativo proposto para a celebração.

No rito da bênção dos ramos, a proclamação do Evangelho é feita do Evangeliário. Depois disso, ele é colocado em destaque para ser conduzido na procissão como presença viva de Jesus Cristo . Alguns ramos e flores podem ornar o andor do Evangeliário.

Para as equipes de celebrações que deverão preparar missas sem procissão, seguem alguns lembretes, com base no Missal Romano.

Ritos iniciais = dois modos de entrada: solene ou simples

Entrada solene: Não havendo procissão, mas bênção de ramos, os ritos iniciais acontecem na porta da igreja, ou mesmo no seu interior. Na porta da igreja, o padre benze os ramos e todos ingressam na igreja cantando canções de louvores e hosanas, aclamando o Senhor. Se este rito acontecer dentro da igreja, as orientações litúrgicas pedem que a bênção e aclamações sejam feitas fora do presbitério. O ideal, contudo, é que a mesma seja feita na porta principal, realizando-se depois uma procissão até o presbitério.
Neste rito, omite-se o ato penitencial ou a aspersão com água sobre a assembléia. O padre, uma vez no presbitério, faz a Oração do dia e todos os celebrantes sentam-se para iniciar a Liturgia da Palavra. (Cf. Missal Romano, p. 229).

Entrada simples: A missa é celebrada como todos os domingos. O que caracteriza a entrada simples é o canto inicial que faz memória (recorda) a entrada de Jesus em Jerusalém. A equipe de celebração, neste caso, esteja atenta para realizar esta sintonia da celebração com a memória celebrada. (Cf. Missal Romano, p. 229).

Fonte: Fonte: Serviço de Animação Litúrgica – SAL